Notícias

Guarda-civil de Santo André é preso sob suspeita de assassinato dos cinco jovens desaparecidos

Um guarda-civil foi preso sob a suspeita de participar do assassinato dos cinco jovens encontrados mortos no último domingo, 6, em uma mata em Mogi das Cruzes, na Grande SP. Os rapazes desapareceram no dia 21 de outubro.

A investigação está relacionada com a morte de Rodrigo Lopes Sabino, 30 anos, GCM de Santo André. Sabino era agente de segurança de Oswana Fameli, vice-prefeita do município. A suspeita dos investigadores do DHPP e da Corregedoria da Polícia Militar é que PMs e GCMs possam ter criado um grupo de extermínio com o intuito de vingar a morte do guarda.

A corregedoria suspeita também que a festa em Ribeirão Pires, destino dos jovens quando desapareceram, tenha sido uma armadilha para atrair e matar um dos cinco rapazes: Caique Henrique Machado Silva, a quem guardas-civis de Santo André responsabilizaram a morte do GCM Rodrigo.
Os guardas-civis teriam usado falsos perfis femininos no Facebook para atrair o jovem à festa.

O GCM Rodrigo foi morto com um tiro durante uma tentativa de roubo, por volta das 5h de 24 de setembro, no Jardim Ana Maria, em Santo André, quando chegava em casa.
Horas depois, o carro do guarda foi encontrado, em chamas, à 1 km da casa de um dos cinco jovens encontrados mortos na mata.

O carro usado pelos criminosos que atacaram Sabino também foi localizado pela polícia após o crime. Era um Fiat Uno registrado em nome de um auxiliar de cozinha.

Nesta quarta-feira, 9, familiares de um dos cinco jovens afirmaram aos investigadores que ele estava sendo ameaçado pelo parente de um GCM.

Compartilhe!